O MAIOR FÃ DO PAULETA

Atualizado: 18 de Ago de 2020

Dominik Friedebach, alemão de 29 anos, é provavelmente o maior fã de Pedro Pauleta. Desde os tempos no Bordeux, mas especialmente no Paris Saint-Germain que Dominik tem como ídolo o Ciclone dos Açores.

Foram muitas as viagens, enquanto adolescente, até França para ver o seu ídolo jogar com a camisola do PSG, assim como jogos da Selecção Portuguesa na Alemanha ou junto à fronteira.


Ao longo dos anos, Dominick foi coleccionando inúmeros equipamentos do Paris Saint-Germain com o nome PAULETA e o número 9 nas costas. Para além desses tem uma colecção gigantesca de posters, fotos, camisolas comemorativas (por exemplo, camisola especial de melhor marcador da Ligue 1), livros e até bilhetes de jogos, salientado o do último jogo de Pedro Pauleta ao serviço dos Parisienses.

Citando o próprio, ''Pauleta foi e é um ídolo para mim. Foi ele que me inspirou a jogar futebol e ser quem sou. Apesar de ser alemão, quando o Pauleta se juntou ao Paris Saint-Germain, tornei-me logo fã incondicional do clube até aos dias de hoje.''


Impossível seria não falar das outras grandes lembranças que Dominik terá para sempre consigo de Pedro Pauleta e do PSG. Falamos claro, das suas inúmeras tatuagens. Estando agora quase todo tatuado, dos pés à cabeça, Dom Pauleta (como lhe chamam os amigos) falou-nos de 4 em especial e com muito carinho. A sua primeira tatuagem foi uma prova de amor ao Clube, dizendo no seu antebraço ''ICI C'EST PARIS''. Logo de seguida, e junto à primeira, tatuou a assinatura de Pedro Pauleta. Mais tarde, devido a passagem do Ciclone dos Açores pelo PSG, tatuou no peito (''junto ao coração'' como nos disse) o símbolo do emblemático clube Parisiense. Finalmente fez a tatuagem de qual mais se orgulha. Falamos claro das suas costas. Dominik tem tatuado o nome de PAULETA, o número 9, a cara do ídolo e o nome do PSG ao longo de todas as suas costas. Um gesto ousado mas com muito significado. Mas mais do que palavras o melhor é mesmo verem as fotos.

Em 2016, sem nada planeado, Dom viajou da Alemanha até aos Açores, propositadamente para tentar encontrar o seu ídolo. Infelizmente sem contactos, sem conhecimento e sem planos, tal não aconteceu, uma vez que Pedro Pauleta nem se encontrava na Região.


Agora, 4 anos mais tarde, decidimos ajudar o Dominik a realizar esse que era o seu maior sonho: conhecer pessoalmente o Pauleta, tirar fotos e autografar alguns dos seus inúmeros equipamentos. Assim sendo, de forma rápida, mas acima de tudo meticulosa e cuidadosa, foi-nos possível planear este tão aguardado encontro.


Dominik chegou a Ponta Delgada no sábado dia 8 de agosto, trazendo consigo obviamente vários testes à COVID-19 negativos. À chegada realizou novos testes, aguardando no hotel resultados, os quais revelaram-se novamente negativos. Após isso passeou um pouco pela ilha, desfrutando de algumas das nossas incríveis paisagens e actividades, sempre tentando combater a ansiedade de finalmente conhecer o seu grande ídolo.